Para repensar a escola

Roseane Daminelli: “Para Freinet, a criança é da mesma natureza que o adulto”

Roseane Daminelli Gomes explica de que modo a pedagogia humanista criada por Célestin Freinet fornece as ferramentas para o desenvolvimento escolar e social da criança

Roseane Daminelli Gomes, estudiosa da pedagogia Freinet. Foto: Reprodução/Nova Escola

Quando Roseane Daminelli Gomes, especialista em Psicologia Escolar e da Aprendizagem, conheceu a Pedagogia Freinet, ainda durante a graduação, encontrou exatamente o que procurava. "Nunca fui uma professora tradicional. A pedagogia desenvolvida por Célestin Freinet [1896/1966] preconiza que uma criança não é um vir a ser, ela já é, e era dessa forma que eu já pensava."

A criança, na visão humanista do educador nascido na França, tem papel ativo no aprendizado. A prática se dá diante de situações reais e o estudante se desenvolve não só do ponto de vista pedagógico, mas também social.

Quais fatores levaram Célestin Freinet a desenvolver seu método pedagógico?

Quando assume a função de educador, em 1920, já com o desejo de uma escola diferente, Freinet observa que as crianças são passivas, apáticas e submissas dentro da sala de aula, porém repletas de vivacidade no momento do recreio. Começa então por mudar a organização do espaço, retira o tablado onde fica o professor e coloca as carteiras, antes enfileiradas, agrupadas de modo a que um estudante possa ver o rosto do outro. Dessa forma educador e educando ficam no mesmo nível. Ele introduz a aula passeio, o texto livre, a imprensa escolar e as correspondências entre escolas. Com esses mecanismos, alfabetiza para além de decodificar palavras e frases sem sentido. A educação se dá pela prática.

Como se dá essa prática?

Quando as crianças saíam para descobrir o entorno da escola, explorar a natureza, visitar os pais no trabalho, na volta escreviam textos livres sobre a experiência. Após a escrita, elegiam um desses textos e trabalhavam a ortografia, corrigiam e imprimiam. Essa imprensa que usa prelo, os tipos, foi um grande acontecimento e levou Freinet a se tornar conhecido em toda a Europa. A experiência começou a ser compartilhada com outras escolas e essas técnicas são usadas até hoje. Saiu o prelo, entrou o computador. Nos inspiramos na técnica e a adaptamos às condições possíveis, por isso dizemos que a Pedagogia Freinet é um movimento que muda conforme a época, a localização e a cultura.

De que forma esse método revolucionário impactou a sociedade da época?

Freinet era tido como comunista e sua prática vista com receio e hostilidade, pois incomodava. Ao percorrer os arredores, as crianças às vezes observavam situações capazes de provocar questionamentos. Entre os casos vivenciados pelos alunos do educador francês está a negociação injusta entre um antiquário e o dono de uma cadeira. Eles percebem que o valor oferecido pelo produto é irrisório e questionam o comerciante. Em outra saída a campo, as crianças constatam a apropriação indevida de um pedaço de terra. Eram vivências desconfortáveis para a comunidade e daí a fama de revolucionário daquele homem contrário à educação tradicional. Ele enfrentou muitos problemas até criar a própria escola [erguida por Freinet e sua mulher, Élise, em 1935, na cidade francesa de Saint-Paul de Vence].

Como foi esse processo?

Freinet percebe que numa instituição escolar particular não será possível levar adiante seu projeto de construir uma escola do povo e para o povo. Ali o envolvimento afetivo é um dos motores do aprendizado. Nessa nova escola, valoriza-se o êxito, não o erro.

Qual o papel de alunos e professores no método Freinet?

Nesta pedagogia que tem por princípio autonomia e cooperação, num ambiente de pensamento no qual a criança tem voz, é cidadã, a aquisição do conhecimento é coletiva. O professor deixa de ser o centro, ocupado agora pela criança, e todas as decisões são em grupo. O professor mantém seu papel de orientador, mas sai de cena a figura do mestre punitivo. No caso dos bem pequenos, a roda de conversas é um estímulo para que exponham dúvidas e problemas para todos juntos decidirem o que fazer. 

Qual a função da afetividade no sistema criado pelo educador francês?

Tudo é baseado na afetividade. A criança é da mesma natureza que o adulto, diz Freinet. Se gostamos de ser ouvidos, as crianças também. Assim, elas começam a falar o que pensam sem temer represálias, a interagir, a ser mais críticas e participativas. As famílias percebem que algo diferente está acontecendo, que os filhos estão mais felizes e gostam mais de ir à escola. 

De que forma a metodologia de Freinet se articula com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC)?

Os direitos de aprendizagem preconizados pela BNCC estão intimamente relacionados com o que Freinet diz sobre a necessidade de a criança expressar sentimentos e ideias, se comunicar, se organizar, se avaliar. O ambiente na sala de aula é de democracia. Em tempos sombrios, é uma forma de resistência. São quase cem anos de Pedagogia Freinet e essa longevidade mostra que não se trata somente de uma prática, mas também de uma teoria que se sustenta.

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90