PARA REVISAR A MISSÃO

Ensino remoto, cuidados socioemocionais, relação com as famílias: o que pode ser revisado no PPP

Confira uma lista de temas atuais que podem ser contemplados na hora de repensar o documento norteador de sua escola

Ilustração abstrata sobre os processos de ensino remoto. Bolhas de conexões pelos ares mostrando as ações de cada um dos personagens envolvidos no processo.
Ilustração: Estúdio Kiwi/NOVA ESCOLA

Para além da atualização de dados e informações burocráticas, o momento da revisão do projeto político-pedagógico (PPP) pode servir para a comunidade escolar refletir em conjunto sobre pontos fundamentais do fazer pedagógico, e renová-los de acordo com as mudanças que ocorreram, dentro e fora da instituição, desde a última revisão.

Confira quatro pontos essenciais para manter no radar na revisão do PPP de sua escola. 

Ensino remoto

As escolas e as redes de Educação aprenderam muito sobre o ensino remoto durante o ano de 2020. Essas modalidades podem aparecer descritas no PPP, sendo previstas em situações emergenciais e durante o período de transição para a reabertura das escolas, mas sempre tratando o ensino presencial como prioridade. “É importante que o PPP acolha tudo o que a escola descobriu com essas modalidades”, orienta Priscila Arce, diretora da EMEI Borba Gato, em São Paulo (SP) e especialista em gestão escolar. 

Mas também vale descrever a demanda do que faltou, do que não deu certo, e olhar para as práticas que foram exitosas durante o trabalho remoto e que podem continuar a ser aproveitadas ou adaptadas. Na experiência da escola que Priscila dirige, por exemplo, as reuniões virtuais permitiram maior participação das famílias, inclusive das crianças. Assim, estudam a possibilidade de manter esses encontros a distância como uma opção mesmo no retorno presencial.

Cuidados socioemocionais 

Ao longo da pandemia, crianças, professores e funcionários vivenciaram, cada um à sua maneira, uma série de perdas – de pessoas, liberdades, empregos e convivências. E essas dores precisam ser acolhidas. Assim, o PPP pode definir o que significam os cuidados socioemocionais para a escola e como podem ser realizados, levando-se em conta os diferentes agrupamentos e a variedade de linguagens disponíveis para expressão.

Mas, para além do período da pandemia, a postura de acolhimento da comunidade escolar precisa ser constante porque diz respeito a encarar e respeitar as pessoas em sua integralidade, e deve ir além de criar espaços para expressão dos sentimentos.

“É muito importante que a escola aprenda a ouvir e a considerar outros desejos e opiniões. Isso tem a ver com compreender quem é o outro e como as relações se estabelecem dentro da escola: são de poder ou são de igualdade?”, questiona Joice Lamb, coordenadora pedagógica na EMEF Professora Adolfina J. M. Diefenthäler, em Novo Hamburgo (RS) e consultora desta Caixa. 

A relação com as famílias

O trabalho pedagógico remoto exigiu, mais do que nunca, uma aproximação entre as famílias e a escola. Essa relação mais próxima é algo interessante de cultivar para que ela se fortaleça também ao longo deste ano e na volta ao presencial.

Para nortear como essa concepção pode aparecer no PPP, Joice Lamb recomenda, em primeiro lugar, debater o que significa a parceria entre a família e a escola. 

“Temos de aprender um jeito de nos aproximarmos da família para que ela seja nossa parceira, e não chegar de um lugar superior, apenas para dar direção de como o trabalho com as crianças deve ser feito”, comenta a coordenadora, que recomenda descrever no PPP o papel de cada um e priorizar o respeito à diversidade dessas famílias.

O PPP e a BNCC

Embora o PPP de muitas escolas já esteja alinhado à BNCC, sempre há espaço para aperfeiçoamento. Para Joice Lamb, é especialmente interessante olhar para as competências gerais (saiba mais aqui) e planejar ações, modos de conduta e projetos coletivos e permanentes que podem transformá-las em algo real para as crianças. 

“Ficamos dizendo, por exemplo, que queremos que as crianças sejam boas, que não briguem, sem oferecer oportunidades para que elas aprendam a conviver de fato. Então, essas competências quase sempre são hipotéticas. Mas para formar um cidadão são necessárias experiências reais”, reflete Joice.

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90