Para saber mais

Vídeo: como lidar com a Síndrome de Burnout

Caracterizada pela exaustão, negatividade e redução da eficácia no trabalho, a síndrome do esgotamento profissional é cada vez mais comum. Entenda no vídeo como ela atinge os professores

Por Flavia Nogueira

Aquela exaustão física e mental que não passa, cabeça cheia de pensamentos negativos ou cínicos sobre a vida profissional e redução da eficácia no trabalho a despeito de todo esforço e dedicação. Você já se sentiu assim, no limite?

Estima-se que a síndrome de Burnout, também conhecida como síndrome do esgotamento profissional, atinja um terço da força de trabalho no Brasil. Ao lado de policiais, médicos e executivos, os professores estão entre os mais afetados pela condição, que recebeu visibilidade em 2019 ao ser incluída pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na Classificação Internacional de Doenças (CDI-11) como um fenômeno ligado ao estresse crônico no mundo do trabalho. A expectativa é de que a atualização traga mais  luz para a condição, agravada pela precarização do trabalho e pelo avanço das novas tecnologias, e amplie o debate sobre a sua prevenção e tratamento. 

Psicóloga, pedagoga e mestre em Psicologia da Educação, Ana Carolina C D’Agostini explica como o problema, cada vez mais comum, se manifesta na carreira docente. Assista no vídeo abaixo: 

Ideias para inspirar, conteúdo para ensinar

Esse conteúdo é feito para você recarregar as suas ideias!

Educador, assine o Nova Escola Box e tenha acesso a conteúdos exclusivos orientados para a aprendizagem a distância.

Apenas R$15,90 por mês

Já é assinante Nova Escola Box? Faça login aqui!