Para repensar a escola

Artigo: Para que serve uma aula de História?

O novo fazer histórico passa pela inquietação, a criticidade e pelo objetivo constante de se observar o passado dialogando com o tempo presente

O Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, sede da presidência antes da criação de Brasília. Foto: Halley Pacheco de Oliveira/Ilustração: Ana Matsusaki

“Decoreba: ação de decorar dados para prestar exames escolares, mas sem a preocupação de entendê-los ou relacioná-los”. Durante gerações esta foi uma das principais definições populares, quando a questão era explicar do que se tratava a disciplina de História. 

Herança do pensamento positivista e de sua proposta de compilar e ordenar informações, as aulas de história faziam jus a esta fama. Não à toa, ainda hoje há quem acredite que a principal qualidade de um historiador se encontre em sua capacidade de gravar nomes de grandes governantes, além de datas e eventos ocorridos desde a invenção da escrita. 

A evolução do pensamento histórico fez com esta prática caísse em desuso a partir da primeira metade do século XX. A inovação trazida pelos historiadores da Escola dos Annales (1930) foi responsável por redefinir a concepção de como se deveria fazer História. 

Desta forma, ao longo dos últimos noventa anos o ofício historiográfico gradativamente tem passado do simples ato de acumular informações, para o exercício de contextualizar fontes, questionar suas origens, redefinir conceitos e fomentar o pensamento crítico.

Quando um aluno me faz a clássica pergunta: “para que serve a aula de história?” eu costumo responder que ela serve para inquietar. A disciplina tem o objetivo de ajudar os estudantes a não aceitarem dados entregues de pronto. Portanto, não é exagero afirmar que uma boa aula de História, em diversas ocasiões, acaba trazendo à tona mais perguntas do que respostas.

Pensando sob este paradigma de fomentação de criticidade e identidades, qual seria a melhor fórmula a ser utilizada na ação de desenvolver currículos como um todo e de definir conteúdos de maneira mais pontual? 

Podemos sintetizar esta questão em duas palavras: “conteúdo significativo”. A matéria precisa dialogar com a realidade do aluno para fazer sentido. Uma pista deste caminho encontra-se na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ao afirmar que “as questões que nos levam pensar a História como um saber necessário para a formação das crianças e jovens na escola são originárias do tempo presente”.

O fazer histórico mudou. Hoje compreendemos que um fato não é isolado e estático no tempo. Deixou-se de fazer sentido o decorar por decorar. Esta visão revoluciona tanto o pensamento histórico como as aulas de História.

Uma importante consequência deste novo caminho foi a abertura de um amplo leque de interesses e recortes inéditos aos historiadores. Fatos que antes pareciam corriqueiros ganham luz e passam a ser analisados. Junto com esta nova forma de se fazer História também passou-se a apontar a possibilidade de elencarmos uma série de fontes que antes eram ignoradas.

Quando penso em uma fonte histórica não necessariamente preciso fazer referência a um documento oficial. Posso estar me referindo a uma carta pessoal, um documento apócrifo ou a uma canção, como uma marchinha de carnaval, por exemplo. Todos estes elementos podem e devem ser analisados, por sua capacidade de apresentar-nos pistas do passado. A BNCC afirma que para isto, "basta um narrador que lhes confira sentido". Evidentemente, sempre respeitando métodos e critérios científicos.

No lugar da decoreba a ordem da vez é a compreensão de que “o passado deve impulsionar a dinâmica do ensino-aprendizagem de História, dialogando com o tempo atual”.

Um exemplo prático desta visão pode ser observado em uma aula sobre a Primeira República no Brasil (1889-1930). Há múltiplos recortes possíveis, mas para além de decoramos nomes de presidentes podemos e devemos pensar nos contextos que os levaram ao poder, o impacto que seus governos tiveram sobre a sociedade, a visão de diferentes setores sociais sobre o período, entre outros aspectos. Trazer significância ao conteúdo apresentado pode passar por observar aproximações e distanciamento entre as práticas daquele período aos presidentes contemporâneos.

Uma aula de História é sempre realizada através do choque de pensamentos o visões históricas. Somos professores e alunos de um tempo, lançando o olhar sobre outro tempo. Assim, não é possível dissociar nossos saberes, conceitos e preconceitos do conteúdo que interagimos. E interação é uma ideia importantíssima, já que, como diria Paulo Freire "não existe processo de educação neutra".

Ao compreendemos que o caminho da disciplina de História passa pelo constante diálogo, interação, validação e significância dos alunos com o conteúdo, acabamos por tornar nossas aulas mais atrativas, já que elas passam a ser palpáveis aos alunos que poderão se sentir incluídos no conteúdo ministrado.

Pensar o passado, com a perspectiva do tempo presente é a chave para aproximarmos o que queremos ensinar daquilo que faz sentido ao meu aluno aprender. Dialogar entre tempos distintos tornar-se paradigma, até porque em última instância “a História sempre se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”.


* José Marcos Couto Júnior é graduado em História e Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ-FFP). Desde 2009 é professor da Secretária Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Em 2018 foi eleito Educador do Ano, no Prêmio Educador Nota 10 e recebeu o título de Cavaleiro pelo Ministério da Educação, ao ser condecorado com a Medalha de Honra ao Mérito Educativo. Desde 2019 é diretor da Escola Municipal Professora Ivone Nunes Ferreira, no bairro de Senador Camará, Zona Oeste carioca.

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90