Sugestão de atividade 1

Passo a passo para trabalhar grandezas e medidas usando elementos do ensino híbrido

Na primeira das duas propostas criadas pela professora Kalina, a ideia é se basear na sala de aula invertida para que as crianças estudem o assunto previamente

Nesta atividade, os alunos podem usar instrumentos de medida caseiros. Ilustração: Estúdio Kiwi/NOVA ESCOLA

É difícil fazer qualquer prognóstico sobre a situação das escolas daqui para a frente. Não há certeza alguma de quando as escolas reabrirão - e de que maneira será essa reabertura. Em muitas regiões, o que se desenha no horizonte é uma espécie de rodízio: parte da turma vai, enquanto a outra fica em casa.

A rede estadual de São Paulo, por exemplo, já reabriu, mas apenas para atividades de reforço. Os estudantes com pouco acesso à internet têm preferência sobre os demais, que seguem acompanhando as aulas on-line. É o caso da EE Brasílio Machado, na capital paulista, onde trabalha a professora Kalina Elis Leitão Pereira. Nesse regime de funcionamento, fica impossível fazer um planejamento convencional, ou mesmo aplicar o ensino híbrido propriamente dito. Mas as estratégias típicas dessa modalidade podem ser adaptadas ao contexto atual - e é o que Kalina pretende fazer.

A convite de NOVA ESCOLA, a docente produziu duas sugestões de atividade que utilizam a experiência acumulada sobre ensino híbrido para a Matemática. Kalina escolheu trabalhar a unidade temática Grandezas e Medidas, da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), porque é fundamental garantir que, ao longo do anos iniciais do Ensino Fundamental, as crianças entendam que há diferentes formas de medir e aprendam a compará-las. Para otimizar o tempo na escola, a professora optou por usar elementos de sala de aula invertida - propondo um estudo prévio do assunto em casa. Na primeira sugestão, que você lê a seguir, ela descreve o trabalho de pesquisa a ser desenvolvido fora da escola ou com parte da turma na sala e outra parte, em casa, uma semana antes da atividade seguinte.

A criação dos materiais e do passo a passo contou com a colaboração do consultor Fernando Trevisani, professor, especialista em metodologias ativas e coorganizador (com Lilian Bacich e Adolfo Tanzi Neto) do livro Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação (Penso, 272 págs., R$ 49).

ATIVIDADE 1: AS GRANDEZAS E AS MEDIDAS DO NOSSO DIA A DIA

Sala de aula invertida: levantamento dos conhecimentos acerca das medidas convencionais 


Indicado para: Turmas do 4º e 5 º ano do Ensino Fundamental 1

Materiais necessários:

- Computador, tablet ou celular com acesso à internet e a plataformas síncronas (como Google Meet e Zoom)
- Ficha com questões para apoiar a pesquisa

BAIXE A FICHA DE PESQUISA

- Materiais como embalagens de produtos; revistas e jornais para recorte
- Livro didático de Matemática do Ensino Fundamental 1 adotado pela escola (para consulta)

Na BNCC:

(EF04MA20) Medir e estimar comprimentos (incluindo perímetros), massas e capacidades, utilizando unidades de medida padronizadas mais usuais, valorizando e respeitando a cultura local.

(EF05MA19) Resolver e elaborar problemas envolvendo medidas das grandezas comprimento, área, massa, tempo, temperatura e capacidade, recorrendo a transformações entre as unidades mais usuais em contextos socioculturais. 

(EF04MA22) Ler e registrar medidas e intervalos de tempo em horas, minutos e segundos em situações relacionadas ao seu cotidiano, como informar os horários de início e término de realização de uma tarefa e sua duração.


PASSO A PASSO

1. Assegure-se de que os alunos já tenham algumas habilidades consolidadas: A Unidade Temática Grandezas e Medidas é trabalhada desde o início do Ensino Fundamental 1. Para a atividade indicada, é importante que a turma já tenha passado pelos conhecimentos e habilidades dessa Unidade referentes aos anos anteriores.

2. Inicie a atividade: Caso a escola esteja no ensino totalmente remoto, reúna os alunos utilizando uma plataforma de videoconferência, como o Google Meet ou o Zoom. E caso a escola já tenha retomado as aulas presenciais, garanta que parte da turma esteja presencialmente na sala para essa aula e que os alunos que estarão em casa possam participar da aula de forma remota. Planeje a aula com tempo suficiente para a explicação da atividade e para a pesquisa que os alunos deverão realizar, independentemente de o ensino ser remoto ou presencial.

3. Comece o encontro organizando a turma em grupos de trabalho: Explique que cada grupo receberá um tema. A sugestão é dividir os alunos da seguinte maneira:

- GRUPO 1: Medidas de Capacidade
- GRUPO 2: Medidas de Comprimento
- GRUPO 3: Medidas de Massa
- GRUPO 4: Medidas de Tempo

Para o ensino totalmente remoto, a sugestão é de que a atividade seja feita individualmente, permitindo que cada aluno tenha autonomia sobre como e quando fará a pesquisa dentro do prazo estipulado pelo professor. A autonomia é um elemento importante do ensino híbrido, caracterizada pela possibilidade de o aluno escolher o momento mais adequado ou uma forma de estudo em sua rotina para a realização da tarefa antes da aula. Além disso, o desenvolvimento da autonomia é uma das competências gerais trazidas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). No ensino parcialmente presencial é recomendável realizar a pesquisa em pequenos grupos, com cada grupo responsável por um tema. Neste caso, a pesquisa acontece durante o tempo em que os alunos estiverem na escola e conta com a mediação do professor.

4. Proponha que os alunos realizem uma pesquisa sobre o tema indicado: Nessa faixa etária, as crianças precisam de orientações mais detalhadas para aprender a pesquisar. Indique aos alunos que registrem no caderno ou imprimam as informações que encontrarem sobre o tema que estão pesquisando.

Sugerimos ainda que você entregue a ficha para cada aluno ou grupo com questões norteadoras de pesquisa (disponível para download no início do texto, junto à lista de materiais).

Apresente as questões que devem ser pesquisadas, abrindo espaço para que os alunos tirem suas dúvidas, e explique que a tabela serve para a organização da pesquisa: eles devem assinalar ou pintar a segunda coluna quando já tiverem pesquisado aquele item.

5. Mobilize os alunos com boas questões: Durante a aula, ao apresentar a tarefa estimule os alunos a experimentarem e refletirem sobre o uso de diferentes medidas, apresentando questões e desafios que envolvam:

- Equivalência entre mililitros e litros;

- Equivalência entre grama, quilograma e tonelada;

- Equivalência entre centímetros, metros e quilômetros;

- Equivalência entre minutos e horas. 

Veja alguns exemplos:

- Quantos copos de 250 mililitros cabem em uma garrafa de um litro?

- O que pesa mais, um quilograma de algodão ou um quilograma de ferro?

- Meça com uma fita métrica a pessoa mais alta da sua casa e a pessoa mais baixa. Qual a diferença entre as medidas das duas pessoas? 

- Quanto tempo é necessário para assar um bolo?

Você pode colocar as questões em uma apresentação que, após a aula, será enviada aos alunos.

6. Ofereça dicas: Por exemplo, para os alunos que vão pesquisar “medidas de capacidade”, pode ser interessante indicar a coleta de dados em produtos que possuem em casa, que trazem medidas de capacidade, como o litro ou o mililitro (caixinhas de sucos, garrafas de qualquer produto líquido, medidas de vasilhas de culinária). Caso parte da turma esteja na escola, o professor deve se atentar para que tenham acesso a materiais como os exemplificados acima ou a revistas, livros didáticos, jornais ou cartazes de propaganda de supermercados, por exemplo.

7. No momento da pesquisa: A pesquisa acontecerá após a orientação dos alunos. Os alunos que estão em casa poderão escolher os melhores horários e formas  para coletar os dados. Para os alunos que já retornaram à escola, é importante reservar tempo de aula presencial para a pesquisa. Você pode organizar esse momento no laboratório de informática da escola e na sala de aula, ao mesmo tempo, em um movimento de rotação entre pesquisas em livros didáticos, revistas e buscas na internet. Nesse caso, não há necessidade de computador ou tablet por aluno, pois eles usarão recursos distintos para pesquisar. 

PONTO DE ATENÇÃO: É importante acompanhar os alunos ao longo de toda a pesquisa, especialmente durante o uso da internet, para que mantenham o foco, busquem informações relevantes e utilizem sites confiáveis. Para as crianças que farão a pesquisa de suas casas, procure avisar um adulto responsável sobre a pesquisa que será feita.

8. Combine uma data com os estudantes para que essas pesquisas sejam entregues: Estabeleça uma data que faça sentido em seu planejamento - sugerimos o período de uma semana antes do próximo momento com os alunos, quando será dada continuidade a esta atividade. A ficha pede que os alunos façam os registros em desenhos, que podem ser produzidos no próprio caderno - especialmente porque grande parte dos estudantes costuma ter dificuldade para imprimir materiais. É importante que você tenha tempo de receber todo o material e organizá-lo para a segunda parte da atividade. 

Professora-autora:
Kalina Elis Leitão Pereira: professora da EE Basílio Machado, em São Paulo (SP).
- E-mail: kalinaelis@gmail.com

Consultor:
Fernando Trevisani, professor, consultor educacional em metodologias ativas, co-organizador do livro Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação (Penso, 2015).
- Instagram: @fernandomtrevisani
- E-mail: fernando-mt@hotmail.com

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90