PARA LER COM OS ALUNOS

10 livros para apoiar a discussão sobre cultura negra e preconceito racial em sala de aula

Acessíveis às turmas de Ensino Fundamental 1, obras revelam a diversidade cultural africana e afro-brasileira e estimulam a representatividade e a autoestima

Livros como O Reino Perdido de Odara, Meu Crespo É de Rainha e Omo-Oba são sugestões interessantes para trabalhar com alunos de Fundamental 1. Ilustração: Ana Cardoso/NOVA ESCOLA

Não é fácil abordar na sala de aula alguns temas que estão distantes do cotidiano dos alunos ou que têm pouca visibilidade. É o caso da história dos povos africanos e seus descendentes, marcada por muito esquecimento e pouco reconhecimento. 

A necessidade de aprender sobre essa bagagem cultural tão marcante no Brasil, e que é intimamente ligada a mais de 56,1% da população do país que se autodeclara negra, segundo o IBGE, vai além da cor da pele. É um ponto fundamental para a construção de uma identidade mais próxima da realidade nacional e sem racismo.

Para apoiá-lo nessa busca por uma Educação antirracista, listamos dez obras de autores negros que podem servir de ferramenta para estimular o espírito crítico dos alunos do 1º ao 5º ano. 

PARA LER COM OS ALUNOS: 10 LIVROS



1.Meu Pai Vai me Buscar na Escola
Junião, Zit, 40 págs., R$ 53

Questões em foco: Afetividade e aprendizagem fora da escola

Por que devo ler: O livro conta o cotidiano de uma criança de 3 anos que todos os dias volta para casa, depois da escola, no colo do pai. Juntos, eles vão reparando e observando a paisagem enquanto fortalecem suas relações pessoais e afetivas.

Como usar o livro com os alunos: Na sala de aula, o professor pode incentivar o desenvolvimento da comunicação dos alunos com um exercício de memória e relato do seu dia. Também pode ser feita a relação entre os ambientes de aprendizado dentro e fora da escola.


2. Quilombololando
Heloisa Pires Lima, Amarilys, 24 págs., esgotado

Questões em foco: Cultura quilombola e luta do povo negro por liberdade

Por que devo ler: De forma poética, a antropóloga Heloisa Pires Lima, com mestrado e doutorado pela USP, mostra neste livro as danças, o modo de vida e as histórias dos quilombos. Nas 26 páginas ilustradas pelo artista Joaquim de Almeida estão representadas as brincadeiras dos quilombos do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais.

Como usar o livro com os alunos: O professor pode aproveitar a obra para contextualizar a luta do povo negro por liberdade em contraponto ao período de escravidão. Outro ponto interessante é falar sobre a organização dos quilombos e o papel das crianças na comunidade.


3. O Reino Perdido de Odara
Danielle Ferreira, Luva Editora, 44 págs., R$ 58,90

Questões em foco: Ancestralidade e consciência negra

Por que devo ler: A protagonista do livro é Odara, uma menina de 8 anos, que faz importantes descobertas sobre ancestralidade a partir de suas próprias vivências. A autora é formada em psicologia e idealizadora do projeto SER (Subjetividade, Educação e Representatividade), que promove estudos e compartilhamentos de materiais didáticos e paradidáticos sobre questões raciais

Como usar o livro com os alunos: As experiências da personagem narradas no livro podem servir de tema de debate em sala de aula sobre a percepção de negritude e seus desdobramentos.


4. Chuva de manga
James Rumford, Brinque Book, 32 págs., R$ 41

Questões em foco: Mudanças climáticas e diversidade cultural

Por que devo ler: O livro apresenta um rico perfil sobre um país chamado Chade, no centro do continente africano, que tem parte de seu território coberta por um deserto. O ciclo de vida das mangas, que dependem das chuvas do começo de ano, é contado na observação do cotidiano do personagem Tomás.

Como usar o livro com os alunos: A percepção das mudanças climáticas, do meio ambiente e da diversidade cultural é tema que o livro destaca. Os alunos podem falar sobre as possíveis comparações entre Brasil e Chade, tanto nas questões geográficas quanto nas sociais.  


5. Grande Assim
Mhlobo Jadezweni, Peirópolis, 36 págs., R$ 41

Questões em foco: Amadurecimento e relações humanas

Por que devo ler: Tshepo é uma criança que quer crescer. O menino quer crescer tanto, que deseja alcançar a altura das nuvens, superando o tamanho das maiores árvores que conhece. Ao narrar essa história, o autor sul-africano Mhlobo Jadezweni destaca o desejo de protagonismo do personagem e sua visão de mundo. As ilustrações são de Hannah Morris.

Como usar o livro com os alunos: É uma oportunidade para o professor falar sobre amadurecimento, relações humanas e imaginação, tendo como pontos de partida as aventuras do personagem. O livro é bilíngue e mostra como é a língua xhosa, um dos idiomas falados na África do Sul. O professor pode aproveitar isso para fazer uma análise das palavras em outra língua com os alunos.


6. Amoras
Emicida, Companhia das Letrinhas, 44 págs., R$ 29,90

Questões em foco: Representatividade e autoestima

Por que devo ler: É uma obra com representatividade como tema central. O autor, que também é rapper, elaborou uma história focada na narrativa oral de transferência de ensinamentos para destacar a importância da construção da autoestima para enfrentar o racismo estrutural. O bordão “as pretinhas são o melhor que há”, sejam elas amoras ou crianças, dá o tom da obra recheada de força e poesia. As ilustrações são de Aldo Fabrini.

Como usar o livro com os alunos: É um ótimo ponto de partida para discutir o racismo e como ele se estrutura na sociedade. O livro também abre espaço para exercícios sobre o uso das metáforas na linguagem e como elas ajudam na compreensão das narrativas.


7. Meu Crespo É de Rainha
bell hooks, Boitatá, 32 págs., R$ 35

Questões em foco: Diversidade e autoestima

Por que devo ler: A escritora bell hooks (que grafa o próprio nome com letras minúsculas por considerar a obra mais importante que o autor) escreveu esse livro para valorizar aspectos positivos dos cabelos de fenótipos africanos, por meio de adjetivos e linguagem poética. Centrado na estética e como ela pode ser observada e ressignificada sem o racismo, o livro é um brinde sobre diversidade e autoestima. As ilustrações são de Chris Raschka.

Como usar o livro com os alunos: O professor pode fazer um exercício com os estudantes abordando a observação do racismo por meio de estereótipos e bullying. Os alunos também pode aprender mais sobre a autora americana, que tem textos e estudos sobre como raça, gênero e economia são temas interligados.


8. Lukenya e seu Poder Poderoso
Odara Déle, Alfabantu, 52 págs., R$ 29,90

Questões em foco: Línguas e culturas de Angola e da República do Congo

Por que devo ler: A professora e educadora Odara Dèlé escreveu o livro em português e em kimbundu, língua falada em Angola e na República congolesa. A obra mostra um pouco da simbologia, tradição e filosofia daquela região da África. O mundo visto por Lukenya é lúdico e cheio de energia. As ilustrações são de Amanda Daphne.

Como usar o livro com os alunos: A obra é um exemplo para desenvolver a criatividade narrativa dos alunos e a percepção de mundo que eles têm diante de outros pontos de vista e experiências. O livro fala sobre a origem e influência do kimbundu no Brasil. Com o glossário disponível no livro, o professor pode fazer um exercício com os alunos sobre a formação da linguagem e das palavras que usamos no dia a dia.


9. Omo-Oba: Histórias de princesas
Kiusam de Oliveira, Mazza, 48 págs., R$ 35

Questões em foco: Ancestralidade e cultura africana

Por que devo ler: Este livro apresenta a narrativa de seis mitos ancestrais das comunidades Ketu, com origem no continente africano. As histórias das orixás Oiá, Oxum, Iemanjá, Olocum, Ajê Xalugá e Oduduá. configuram um universo de princesas e mulheres magníficas. As ilustrações são de Josias Marinho.

Como usar o livro com os alunos: É uma oportunidade para o professor mostrar que o ponto de vista europeu não é o único. Existem outras referências e muita coisa para se aprender, principalmente sobre a cultura, a simbologia e a filosofia africana. O professor também pode propor um exercício de escrita com o tema da intolerância religiosa.


10. Africanidades Paulistanas
Gevanilda Santos, Oswaldo Faustino, Ramatis Jacino e Sueli Chan Ferreira (org.), Grafset, 104 págs., R$ 129,90

Questões em foco: Relações entre África e Brasil

Por que devo ler: Os personagens Aydolê, uma menina brasileira, e Toko, um garoto angolano, fazem juntos várias descobertas sobre a história do continente africano e como existe uma ligação forte com a formação social e cultural do povo brasileiro. São 104 páginas divididas em três partes:  Iguais e diferentes, Descobrindo raízes e História da África. As fotos são de Luiz Paulo Lima.

Como usar o livro com os alunos: No livro e no manual do professor que acompanha a obra, elaborada com foco nos conteúdos do Ensino Fundamental, os professores encontram várias sugestões de exercícios e temas para desenvolver em sala de aula. Os autores dão exemplos detalhados da influência africana no Brasil e diversos fatos curiosos que vão chamar atenção dos alunos.

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90