PARA REPENSAR O ENSINO

Como continuar seus estudos e sua formação em mais um ano atípico

Como encontrar tempo e boas referências para se desenvolver como educador em tempos tão difíceis? Confira reflexões, dicas e sugestões de plataformas e materiais que podem te ajudar

Ilustração: Yara Santos/NOVA ESCOLA

O ano de 2020 foi atípico, 2021 não está sendo diferente. Quando o retorno às aulas presenciais parecia que finalmente seria possível, a pandemia manifestou-se violentamente e mudou os planos de escolas, professores, pais e alunos. Ao que tudo indica, o ano presente também será fortemente marcado por modelos híbridos de ensino, que as atividades remotas devem continuar a desempenhar um papel importante.

Neste contexto, os professores estão buscando estratégias e recursos para continuarem sua formação, tanto para atender os requisitos mínimos da BNCC quanto também para encontrar maneiras de adequar o ensino às condições impostas pela pandemia. Ou seja, distanciamento e ensino remoto. 

Segundo Fernando Barnabé, integrante do Time de Autores de NOVA ESCOLA e diretor da rede Trilhas do Saber e da Edu.co, os professores já enfrentaram alguns desafios nessa jornada durante a pandemia. "Num primeiro momento, a grande dificuldade foi lidar com os recursos tecnológicos diante do cenário da pandemia", explica. No entanto, para Barnabé, os professores seguem enfrentando dificuldades no uso dessas ferramentas. 

O educador dá um exemplo da sua área específica de conhecimento, a Matemática: há bons softwares livres para trabalhar o componente curricular com os alunos a distância, como o Geogebra, mas muitos ainda desconhecem o recurso. Logo, existe uma lacuna na formação desse professor pela dificuldade em transpor os métodos da sala de aula presencial para o ambiente virtual. 

Também é necessário que gestores e coordenadores tenham mais clareza a respeito do papel dos professores nesse processo de aprendizagem. Só assim, opina Fernando, o professor vai compreender em quais conhecimentos ele precisa investir. De acordo com o educador, ainda não está claro para ninguém como será feito o ensino em um modelo híbrido. "Existem professores que estão em casa por vários motivos, de comorbidades a questões familiares, e que não podem sair de casa. Muitos acabam só acompanhando os alunos por essa aula transmitida." 

"Ainda não está claro qual é o papel de cada um dentro dessa história", explica. "Para o professor, ainda falta organização, deixar claro qual é o meu papel estando remoto ou presencial. Vai ter trabalho em parceria ou não? Você percebe que todo mundo ainda está muito assustado e falta um norte, um direcionamento para saber quais são as possibilidades."

Quais materiais e fontes usar?

Que tipo de material os professores estão usando e em quais fontes têm confiado? O professor Cícero Clácio dos Santos, professor do colégio estadual José Inácio de Farias, em Monte Alegre de Sergipe (SE), tem usado recursos do Ministério da Educação, como o AVAMEC, e outras ferramentas disponibilizadas por universidades públicas. Além disso, Cícero usa o YouTube como recurso para acompanhar cursos e continuar sua formação.

A Secretaria de Educação de Sergipe, afirma o professor, tem disponibilizado materiais de orientação por meio de uma plataforma que indica cursos. Foi por meio desta que ele fez um curso de empreendedorismo e projeto de vida que tem usado em suas aulas. 

Além desse tema, o professor de Sergipe tem procurado aprimorar-se na questão da avaliação. "Como fazer avaliação neste momento? Como posso avaliar o aluno? Sabemos que uma atividade a distância depende muito da honestidade de quem está fazendo, então, temos de criar métodos e estratégias para conseguir avaliar", afirma (saiba mais sobre o tema aqui).

Trocas com colegas de escolas

Para a professora Roselia Ferrer, professora de Matemática dos Anos Iniciais na Escola Municipal Serranópolis do Iguaçu, em Serranópolis do Iguaçu (PR), a pandemia trouxe "uma grande necessidade de trocar ideias com meus colegas de profissão, fazer leituras em materiais de referências, experimentar". "Eu só consegui me organizar melhor quando comecei a planejar minhas aulas tendo como referencial a BNCC. A partir do momento que tinha clareza dos objetivos, qual era minha intenção e o que desejava alcançar, isso me deixou um pouco mais segura", afirma. 

Para conseguir essa organização, diz Ferrer, foram necessários "muita leitura, muito estudo individualizado, troca de informações com os colegas, a busca de apoio da direção e coordenação, lives, enfim, tudo isso foi imprescindível para o processo de ensino aprendizagem remoto".

Como achar tempo para estudar?

Embora haja muitos recursos disponíveis, o tempo é um grande problema. Os professores são obrigados a conciliar o planejamento das aulas, as capacitações das disciplinas e também das novas ferramentas e metodologias necessárias no momento em que vivemos. 

O resultado é que "nestes tempos de pandemia, o professor tem trabalhado monstruosamente", afirma Fernando Barnabé. 

"Sou professor em tempo integral", diz Cícero. "Tenho dois vínculos com a rede estadual de ensino. Tenho aula pela manhã e pela tarde, o planejamento das aulas, gravo meus próprios vídeos, crio conteúdo, monto a aula toda em vídeo. A conciliação do tempo é uma coisa muito difícil. Hoje trabalhamos muito mais do que em sala de aula por conta da preparação do material." 

Por conta dessa sobrecarga, diz Ferrer, é preciso escolher quais materiais usar e cursos e lives assistir. "As sugestões de formações disponíveis na internet são inúmeras, mas, no momento, o tempo tem sido muito curto, obrigando-nos a buscar informação que vai contribuir para o aprendizado das crianças em períodos noturnos ou em finais de semana."

Segundo Barnabé, é preciso auxiliar os professores a otimizarem seu tempo. E os gestores são essenciais nesse papel, ajudando a filtrar os recursos mais adequados para as necessidades dos professores – e que não sobrecarreguem o profissional.

divisória

DICAS PARA CONTINUAR SEUS ESTUDOS


- Priorize conteúdos relevantes para sua disciplina. Quantidade não é qualidade.

- Universidades públicas têm disponibilizado cursos, recursos e textos. Fique de olho.

- Use ferramentas criadas pelo MEC e por secretarias estaduais. Elas ajudam a priorizar o que estudar na formação. 

- Grupos de estudo podem ser muito úteis. Hoje, diversos grupos que eram presenciais passaram a funcionar on-line, aumentando a possibilidade de participação.

divisória

SITES E PLATAFORMAS PARA SEUS ESTUDOS


Mapas de Foco da BNCC

Criado pelo instituto Reúna, esse é um dos principais documentos que auxiliam o trabalho dos professores, pontuando o que devemos priorizar em situações onde a aprendizagem não foi ou não é satisfatória, visando a continuidade do trabalho com a aprendizagens das crianças. Acesse aqui


Percurso formativo para Educação Infantil e Ensino Fundamental 

Outro material do Instituto Reúna, é uma boa oportunidade para viver uma experiência de formação neste período tão complexo como é o de isolamento social. Acesse aqui


AVAMEC

Disponibilizada pelo Ministério da Educação, a plataforma Avamec é um ambiente colaborativo de aprendizagem que inclui cursos a distância, complemento a cursos presenciais, projetos de pesquisa, projetos colaborativos e outros recursos e materiais que podem ajudar em sua formação. Acesse aqui


Estude em Casa (Secretaria de Educação de Sergipe)

Indicação do professor Cícero Clácio dos Santos, a plataforma Estude em Casa, disponibilizada pela Secretaria de Educação de Sergipe, oferece sugestões de cursos de formação continuada, formação para o ensino remoto emergencial e cursos como Educação Empreendedora e Cultura Digital. Acesse aqui.

divisória

Ideias para inspirar, conteúdo para ensinar

Continue lendo conteúdos exclusivos com acesso ilimitado

Assine o Nova Escola Box e veja sugestões de atividades para aulas remotas e presenciais.

Apenas R$15,90 por mês

Já é assinante Nova Escola Box? Faça login aqui!