Ensino remoto

Ciberbullying no ensino remoto: como prevenir, reagir e cuidar da convivência no longo prazo

Problema exige intervenção imediata e medidas no longo prazo, e não deve ser diminuído a conversas pontuais. Conheça 4 situações comuns de ciberbullying no ambiente virtual e saiba como lidar com elas

Ilustração de computador com a tela ligada em vídeo chamada. Na tela é possível ver que uma fotografia substitui a personagem que não se encontra na sala durante a aula.
Ilustração: Rafaela Pascotto/NOVA ESCOLA

Situações de ciberbullying já existiam entre alunos e alunas antes da pandemia de covid-19, mas se intensificaram com o ensino remoto. A possibilidade de anonimato, a confiança na falta de punição e o distanciamento físico e emocional do on-line encorajam os autores. 

Mas o que fazer quando chega um caso concreto no chat da sala de aula on-line, na conversa privada com um aluno ou mesmo quando outro funcionário da escola relata o caso? Como o professor pode atuar?


O que é ciberbullying

Práticas violentas, intencionais, entre pessoas próximas e com paridade de poder em ambientes virtuais. Podem incluir agressões, ameaças, insultos, difamações, exclusões ou humilhações. Muitas vezes, aquele que pratica a violência tem dificuldade de reconhecer a agressão ou o desrespeito dirigido ao outro. Saiba mais aqui.


Primeiro, explica Thais Bozza, doutora em Educação pela Unicamp e gestora de Projetos da Convivere Mais, é preciso abandonar a ideia de punição e investir em ações de prevenção e intervenção.

Com a ajuda dela, elencamos quatro situações de ciberbullying mais comuns nas escolas e listamos ações preventivas, formas de atuar no momento em que os casos aparecem, e como tratar do assunto no longo prazo. Confira:

Ciberbullying: Conheça 4 situações comuns no ambiente escolar 

1. Divulgação de fotos, memes, figurinhas de WhatsApp ou vídeos com caracterização ofensiva, humilhante ou degradante de alunos e alunas. 

2. Agressões diretas direcionadas a alunos e alunas em grupos de WhatsApp ou Instagram. 

3. Divulgação de mensagens privadas que expõem alunos e alunas nas redes sociais.  

4. Compartilhamento de imagens íntimas de alunas e alunos no WhatsApp ou redes sociais. 

Saiba mais no vídeo: Agressões Virtuais | Ciberbullying

Ações preventivas para lidar com o ciberbullying 

Apostar na formação de educadores para atuar de forma eficaz na solução do problema. 

Instituir um espaço no currículo para discutir e refletir sobre conteúdos que envolvem a convivência, entre eles a convivência on-line e a temática do ciberbullying. Saiba mais no vídeo: Relações sociais e agressões no ambiente virtual: como a escola pode contribuir.

Propor atividades que envolvam a reflexão sobre as consequências das ações on-line, a troca de perspectivas, o protagonismo dos e das estudantes, o fomento de valores éticos, tais como respeito, justiça e generosidade, e ainda o desenvolvimento de competências socioemocionais, como a empatia e a assertividade.

Constituir sistema de apoio entre pares em que alguns estudantes são formados para apoiar os colegas que estejam enfrentando o problema. Para saber mais: Conversando com as equipes de ajuda.

Criar estruturas para que os alunos e alunas possam fazer denúncias e reclamações. Por exemplo: disponibilizar caixas ou urnas na escola para pedidos de ajuda, ou endereços de e-mails e contas nas redes sociais.

O que fazer na hora em que acontece o ciberbullying:

Leia orientações sobre como agir no curto prazo diante de um caso de violência virtual entre os alunos 

1. Retirar o conteúdo das redes sociais. A situação pode propagar-se rapidamente, exigindo medidas imediatas. Facebook e Instagram, por exemplo, possuem mecanismos de segurança que podem ser acionados para a retirada de conteúdos impróprios. 

2. Orientar a aluna ou o aluno que é alvo a não responder às agressões. Essa orientação pode se estender para “printar” o conteúdo que o ofende (ou pedir para alguém fazer isso), e afastar-se das redes sociais, pois não é indicado permanecer relendo ou revendo o conteúdo desrespeitoso, a fim de evitar o  sofrimento prolongado. 

3. Incentivar quem é alvo a falar sobre o que está sentindo. É importante o educador utilizar a escuta ativa e empática e dar o espaço de que ele ou ela precisa para falar.

4. Tentar identificar junto aos alunos o autor ou autora da ofensa (se é membro da escola ou uma pessoa desconhecida, um perfil fake). O mais indicado é que isso não seja feito publicamente, com todos juntos, e sim chamar pequenos grupos para que possam relatar o que sabem. 

5. Lembre os estudantes de que eles não são delatores. Eles foram chamados para ajudar a procurar de onde partiram as postagens para que se possa reverter a situação. 

6. Elaborar um plano de ação. A partir do levantamento dessas informações, elabore um plano para intervir com os envolvidos diretamente na situação. “Indicamos para esse fim o Método de Preocupação Compartilhada (MPC), que corresponde ao planejamento e sistematização de uma forma de intervenção aos problemas de intimidação entre pares, e que tem como objetivo promover a reflexão sobre os comportamentos dos envolvidos nessas situações”, recomenda Thaís. Você pode ler mais sobre o método, desenvolvido pelo educador Anatol Pikas, neste artigo.

Ciberbullying na escola: como cuidar no longo prazo 

Com os envolvidos diretos no caso (autor e alvo):

- Elaborar um protocolo de atuação de forma que a intervenção ocorra individualmente com as partes. Para saber mais, leia o livro Quando a Preocupação É Compartilhada: Intervenções aos casos de bullying, de Luciene Tognetta. 

- Com o alvo o objetivo da intervenção é acolhê-lo, reconhecer seus sentimentos, permitir que os expresse, fortalecê-lo para enfrentar a situação de forma assertiva. 

- Com o autor o objetivo é a reparação do dano causado, o desenvolvimento da empatia e a sensibilidade moral e formação de valores éticos. 

- O educador responsável pela intervenção deve acompanhar o caso do início ao fim. Para saber mais, você pode acompanhar a live com a Thais Bozza no Instagram.

Com os espectadores (o grupo de alunos) do caso de ciberbullying:

- Pode-se organizar uma atividade para refletir sobre a temática, o ciberbullying.

- É preciso tomar alguns cuidados para não expor os envolvidos diretos. 

- O educador que conduz a atividade deve usar uma comunicação construtiva e empática.

- Compartilhar o objetivo da aula, que é um momento de reflexão sobre temáticas que estão relacionadas à convivência on-line. 

- Alguns princípios precisam ser respeitados durante as discussões na aula, como: falar de situações sem julgamento, descrevendo-as; citar fatos e não mencionar ou identificar pessoas.

divisória de atividade

SUGESTÃO DE INTERVENÇÃO - Ciberbullying: como podemos agir?

A seguir, leia uma proposta de atividade/intervenção que pode ser desenvolvida com os alunos do Fundamental 2


OBJETIVO: Sensibilização com a exposição do alvo, identificação de valores sociomorais ausentes na situação, identificar os sentimentos dos envolvidos e refletir sobre o papel dos espectadores. Saiba mais.


1. Assista com os alunos ou passe como tarefa o vídeo Ciberbullying - Talent Show. É possível ativar a legenda em português na barra de ferramentas lateral da ferramenta. 

2. Após o vídeo, proponha uma discussão coletiva. Os alunos devem assistir ao vídeo e em seguida discutir coletivamente com a mediação do professor. As perguntas abaixo podem nortear a discussão: 

- O que sentiram ao assistir o vídeo? 

- O que acontece nessa situação?

- Quem são os personagens envolvidos? 

- Como agem? Como se sente a aluna exposta? 

- Se essa mesma situação acontecesse em uma rede social, como se sentiria a aluna exposta? 

- Por quê? 

- Qual a atitude da plateia no vídeo? 

- Na internet também vemos essa atitude? 

- Existem outras atitudes dos espectadores (público que assiste) na internet? Quais? 

- Quais são as consequências quando uma pessoa é exposta ou desrespeitada na internet? 

- O que podemos fazer se isso acontecer conosco?

- E se acontecer com outra pessoa (conhecida ou desconhecida)? 

- Como podemos agir? 

- Por quê? 

3. Liste valores coletivos e proponha sua divulgação para a comunidade. Pergunte: Qual ou quais valores vocês acham que faltaram nessa situação do vídeo? Liste os valores citados pelos alunos e proponha a divulgação para a comunidade educativa utilizando recursos digitais: criando postagens, pequenos vídeos para as redes sociais ou outras plataformas.

divisória

Caixa abrindo

Continue lendo conteúdos exclusivos com acesso ilimitado

Assine o Nova Escola Box e veja sugestões de atividades para aulas remotas e presenciais.

Apenas R$15,90 por mês

Já é assinante Nova Escola Box? Faça login aqui!