Para inspirar

5 propostas para explorar sons do ambiente

Aproveite a curiosidade das crianças para estimular a percepção daquilo que as cerca por meio da audição

Ilustração icônica com símbolos que apresentam sons ambientes como latidos de cachorro, vento e trovões.
Ilustração: Juliana Dacosta/NOVA ESCOLA

A cigarra que canta no fim da tarde, a abelha que voa ao redor de uma flor, as folhas da árvore que chacoalham quando bate o vento ou o cachorro que late em algum ponto da rua. Ao pararmos para prestar atenção, é possível observar a quantidade, a variedade e a intensidade dos sons que estão presentes no dia a dia, seja em casa, seja na escola ou em qualquer outro ambiente. 

Explorar esses estímulos pedagogicamente é uma das propostas do plano de aula Brincadeiras com Sons do Ambiente, elaborado pela professora Roselaine Pontes de Almeida, do Time de Autores de NOVA ESCOLA. A educadora afirma que as crianças são curiosas por natureza e que, por isso, tendem a ter predisposição para perceber os elementos que compõem os espaços, sendo um deles o som.

“É muito importante proporcionar às crianças, desde pequenas, o contato com diferentes sons, em diferentes intensidades, em diferentes durações, porque isso vai dar a elas um repertório auditivo que será essencial para o desenvolvimento da linguagem, bem como a prosódia, que é a musicalidade da fala”, explica Roselaine, que é coordenadora acadêmica no Instituto NeuroSaber de Ensino.

Ela acrescenta que a criança adquire tal musicalidade na fala a partir do repertório auditivo que é oferecido a ela. Isso será fundamental, inclusive, na fase de alfabetização, uma vez que a criança terá de decodificar os sons da nossa língua para transformá-los em escrita, explica a professora.

A pedido de NOVA ESCOLA, Roselaine preparou cinco sugestões de abordagens para trabalhar os sons dos ambientes com as crianças da Educação Infantil. Confira a seguir:

1. Quais sons entram pela janela de casa ou da sala de aula?

Nesta proposta, a ideia é convidar a criança a direcionar o foco de sua atenção para os sons que ela ouve. Ela pode fazer essa experiência abrindo a janela de casa ou da escola e se atentar aos sons que vêm de fora. Se estiver em casa, pode experimentar essa percepção auditiva do quarto, da sala, da cozinha ou do quintal, em horários diversos. Então, você pode fazer perguntas como: será que os sons que você ouve pela manhã são os mesmos que você ouve à tarde ou no início da noite? Em que horário os passarinhos começam a cantar onde você mora ou onde você estuda? Quais sons humanos você ouve durante a tarde (exemplo, pessoas passando na rua)? Se onde você mora tem galo, a que horas ele canta? Em qual horário os cachorros costumam latir mais? E assim por diante.

2. Que tal escutar os animais?

A proposta aqui é convidar a criança para perceber e identificar os sons que os diferentes animais emitem. Nos ambientes externos, como pátios ou áreas verdes, você pode sugerir que ela procure por tais sons e tente adivinhar os bichos relacionados a eles. O foco não precisam ser animais grandes e comumente retratados em obras infantis como galos, galinhas e vacas. Você pode propor que ela se atente, por exemplo, ao som de um pássaro, de uma cigarra ou de uma mosca, muito comuns nos contextos urbanos.

3. Quantos sons você consegue produzir com o corpo?

Nesta abordagem, você ou alguém da família pode colocar um vídeo do grupo musical infantil Barbatuques, que trabalha com percussão corporal, para a criança assistir. Depois, peça a ela que tente reproduzir os movimentos e brinque com o próprio corpo. Algumas perguntas podem ser feitas para conduzir a brincadeira: quando a gente faz barulho com a boca, bate a mão na barriga ou, ainda, quando estala os dedos, quais tipos de sons são produzidos?

4. Quais sons o vento pode produzir?

A intenção desta proposta é de que a criança se atente ao som do vento, valendo-se também da observação de outros fenômenos da natureza. O ideal é lançar a atividade e dar alguns dias para que ela possa perceber se ouve o barulho do vento, se tem chuva ou tempestade, se consegue ouvir o uivar de uma ventania. Ela também pode perceber esses sons ao manipular diferentes objetos. Por exemplo, ao fazer um catavento de papel, o vento vai bater e o objeto produzirá um som. A criança também pode amarrar uma linha numa sacola de mercado e brincar de empinar. Experiências como essas, além de divertidas, mostram como um mesmo elemento pode soar diferentemente a partir do contato com objetos.

5. Os sons do dia a dia 

Aqui, você pode brincar com as crianças com os sons produzidos por objetos ou situações do cotidiano. Uma sugestão de brincadeira é pedir que a criança fique de costas ou com os olhos vendados enquanto um adulto ou outra criança produz um som para que ela tente adivinhar. Pode, por exemplo, bater de leve uma porta e perguntar que som é esse; assobiar e perguntar se ela sabe o que é; deixar cair um lápis no chão e perguntar se consegue identificar o que aconteceu; bater palma e assim por diante.

Caixa abrindo

Continue lendo conteúdos exclusivos com acesso ilimitado

Assine o Nova Escola Box e veja sugestões de atividades para aulas remotas e presenciais.

Apenas R$15,90 por mês

Já é assinante Nova Escola Box? Faça login aqui!