Para saber mais

Os diferentes carnavais pelo Brasil

Viaje com sua turma pelas festas em Olinda, Salvador, Rio de Janeiro, Manaus e nas cidades históricas de Minas Gerais

Amplie o olhar dos seus alunos com as folias pelo Brasil afora. Foto: Ronaldo Caldas/WikimediaCommons/Ilustração: Ana Matsusaki

O Carnaval é conhecido como a festa mais popular do Brasil, e o título é justo. A comemoração acontece em grande parte das cidades brasileiras e conta com a participação de milhões de foliões. Ao trabalhar o conteúdo com seus alunos, dê enfoque à manifestação carnavalesca que ocorre no lugar onde vocês vivem, mas apresente também as formas como o Carnaval é festejado em outras regiões, considerando suas influências históricas e geográficas. 

OLINDA

A festa

Ritmos europeus e africanos se misturaram fazendo surgir, no século XIX, o frevo e o passo, dança inspirada nos movimentos da capoeira. Pelas ruas e ladeiras da Cidade Alta, em Olinda, desfilam clubes de frevo, troças, blocos, maracatus, caboclinhos e afoxés, representando tradições europeias, africanas e indígenas. A origem dos bonecos gigantes remete às procissões europeias da Idade Média, quando os bonecos acompanhavam os cortejos religiosos. Em 1932 foi criado o primeiro da cidade, o Homem da Meia Noite. Desde então, centenas de outros personagens surgiram e se reúnem em um encontro tradicional na chamada Terça-Feira Gorda - a terça-feira de carnaval, que em 2020 cai no dia 25 de fevereiro.

A música

O frevo é o ritmo tradicional do carnaval da cidade, e um dos blocos mais conhecidos, o Elefante de Olinda, pula ao som de canções como esta:

SALVADOR

A festa

Há sete circuitos carnavalescos espalhados por doze bairros. Há também o Afródromo, dedicado exclusivamente aos blocos afros e afoxés, como o Olodum, Timbalada, Filhos de Gandhy e Ilê Aiyê. Importantes concursos são realizados para escolher a Deusa do Ébano, a Rainha do Muzenza (Muzembela), o Rei Momo, a Rainha e as princesas do Carnaval. Durante seis dias de festa, cantores atraem multidões para seguirem seus trios elétricos. Para participar é preciso adquirir o abadá próprio de cada bloco. Quem não quiser ou não puder pagar, acompanha a festa separado por um cordão e recebe o apelido de folião pipoca. 

A música

O repertório da festa baiana é bem eclético, indo do axé a gêneros como o samba afro. Um bom exemplo é a canção Que Bloco é Esse?, do bloco Ilê Aiyê: 

RIO DE JANEIRO

A festa

No período da Independência do Brasil, a elite carioca, inspirada pela cultura parisiense, começou a organizar grandes bailes de carnaval. Com o tempo, essas festas foram tomando as ruas e se misturaram a comemorações populares e de negros libertos ao som dos ritmos do entrudo, congadas e cucumbis. A primeira escola de samba do Brasil foi a Deixa Falar, criada em 1928 no bairro carioca do Estácio.  Desde 1932, o carnaval do Rio ganhou o desfile competitivo, um espetáculo grandioso que atualmente é transmitido para diversos países do mundo. Em 2004, graças a dezenas de escolas de samba e blocos de rua, o carnaval do Rio de Janeiro foi reconhecido pelo Guinness Book (Livro dos Recordes) como o maior do mundo. 

A música

O samba é que dá o tom da festa carioca. Além das marchinhas e de outros estilos no carnaval de rua, a grande marca da folia é o samba-enredo, que embala os tradicionais desfiles na Marquês de Sapucaí. Que tal ouvir o samba campeão de 2019, da Estação Primeira de Mangueira? Ele se chama História pra Ninar Gente Grande, mesmo nome do enredo, que contou a história do Brasil pela perspectiva de heróis negros e indígenas:

MANAUS

A festa

Assim como no Rio de Janeiro, o carnaval de Manaus começou em bailes realizados em mansões e casas populares - os primeiros registros são de 1854. No início do século XX, os barões dos seringais passaram a desfilar em carros ou carruagens enfeitadas de flores jogando confetes, serpentina e perfume no público. Sob influência de ex-escravizados, vindos principalmente do Maranhão, surgiram as escolas de samba manauaras, cujos desfiles são hoje acompanhados por mais de 100 mil pessoas. Outro evento carnavalesco, o Carnaboi mistura a cultura indígena amazonense com o carnaval. A festa dá início às comemorações do boi-bumbá, apresentando agremiações dos bois Caprichoso, Garantido e outras.

A música

O gênero musical que agita as Festas do Boi é a toada. Aqui, vai uma coletânea de toadas do Boi Garantido…

… e outra coletânea, do Caprichoso.

CIDADES HISTÓRICAS MINEIRAS

Nas cidades de Ouro Preto, São João del Rei, Tiradentes e Diamantina, a festa é conhecida pelo Carnaval Universitário e composta basicamente por diversos blocos de rua. Milhares de turistas se juntam a pequena população local e se divertem pelas ruas e ladeiras das cidades repletas de casarões, igrejas barrocas e outras construções históricas. Diversas repúblicas organizam seus próprios blocos, festas particulares e as famosas janelas eletrônicas (música executada ao vivo nas janelas de repúblicas estudantis). Além disso, as prefeituras também promovem shows com artistas de diversos ritmos musicais. 

A música

Em Minas, os estilos musicais são variados. Um dos mais tradicionais blocos de Ouro Preto é o Bloco dos Mesclados, que avança no ritmo da percussão:

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90