Para saber mais

Itália, Canadá, Bolívia e até Eslovênia: a folia mundo afora

Pensa que só brasileiro gosta de carnaval? Outras culturas também celebram a festa, que ganha as feições culturais de cada povo

A tradição das máscaras no carnaval italiano remete o século XVI quando os nobre ocultavam sua identidade para comemorar a festa do povo. Ilustração: Ana Matsusaki

Você sabia que não é só no Brasil que o carnaval acontece? Em outros países do mundo também existe folia! Conheça e mostre para seus alunos como diferentes culturas celebram a festa e quais são as ligações da forma dessa manifestação com características geográficas dos locais em que são realizadas.

ITÁLIA
O que mais chama a atenção no tradicional carnaval de Veneza é a utilização dos trajes luxuosos que remetem ao século XVIII e de máscaras, cuja origem vem do século XVI, quando nobres ocultavam sua identidade para poder comemorar a festa com o povo. A festa conta com um desfile noturno de barcos alegóricos, shows, festas particulares, apresentações e concurso de máscaras. O momento mais aguardado é o “Voo do Anjo”, quando uma jovem escolhida desce de tirolesa do alto da torre de San Marco até à praça de mesmo nome.

CANADÁ
Diferentemente do Brasil, onde o Carnaval acontece no verão, Quebec realiza a festa sob baixíssimas temperaturas, o que lhe rendeu o título de maior carnaval de inverno do mundo. A programação inclui shows, festivais esportivos e gastronômicos, competição de escultura de gelo e paradas noturnas. A primeira edição foi realizada em 1894, mas as duas guerras mundiais e a Crise de 1929 interromperam o festival. Em 1955 o evento foi retomado para promover o desenvolvimento da economia local. 

BOLÍVIA
A festa acontece na cidade de Oruru, a 3.700 metros de altitude. A origem do carnaval no país é pré-colonial, mas, com o tempo, elementos do catolicismo foram agregados. Há desfiles com milhares de dançarinos e músicos, homenagens à Virgen del Socavón (uma devoção à Virgem Maria típica da cidade), rituais de agradecimento pela chuva e pela colheita. A tradicional dança Diablada reúne elementos da cultura andina e da religião católica para representar o duelo entre o bem e o mal. Já a Morenada relembra a chegada de escravizados africanos para o trabalho nas minas da região. 

ESLOVÊNIA
A celebração mistura influências do cristianismo e do paganismo eslavo. Um dos eventos mais famosos é o Kurentovanje, que  acontece na cidade de Ptuj e conta com a participação de uma interessante figura, o Kurent. Centenas de pessoas se vestem com fantasias feitas de palha, máscaras, fitas coloridas e sinos atados à cintura para representar o personagem (para uns é um deus, para outros um demônio) que segundo a tradição folclórica tem o poder de afastar o inverno. Na quarta-feira de cinzas, um boneco é enterrado para celebrar o fim do inverno e início da primavera.

JAPÃO
Já se perguntou o que as escolas de samba fazem com as fantasias após os desfiles? Surpreendentemente, algumas são exportadas para o Japão, país de maioria budista e xintoísta, mas que também festeja o Carnaval por influência brasileira (em 1981 escolas de samba cariocas foram para lá). A comemoração acontece em agosto e conta com desfiles com carros alegóricos, ala das baianas, passistas, sambas cantados em português e participação de muitos brasileiros.

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90