Para repensar o ano

Ciências: 5 respostas para replanejar 2020 no Ensino Fundamental 2

Conheça alguns caminhos para nortear o redesenho das aulas nas turmas do 6º ao 9º ano no componente curricular

Saiba dicas para trabalhar em um replanejamento que garanta o desenvolvimento mínimo das habilidades esperadas em cada ano  para o ensino de Ciências. Ilustração: Nathalia Takeyama/Nova Escola

Desde que a pandemia do novo coronavírus começou, o mundo virou de cabeça para baixo. “Muito do que cada um planejou na virada do ano, seus sonhos, ideias, metas, precisaram ser replanejados. Por que não deveria acontecer o mesmo com a Educação?”, reflete a professora de Ciências Cíntia Diógenes, formada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Ceará (UFC), especialista dos Planos de Aula de NOVA ESCOLA e consultora desta caixa. 

Diante desse cenário, como trabalhar em um replanejamento que garanta o desenvolvimento mínimo das habilidades esperadas em cada ano Ensino Fundamental 2 para o ensino de Ciências? 

Analisar a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) em busca das habilidades prioritárias, selecionar aquelas capazes de fazer os alunos avançarem e considerar o acesso dos estudantes ao ensino remoto são passos importantes, de acordo com os especialistas. 

Leandro Holanda, mestre em Ciências pela USP e especialista do Time de Autores de NOVA ESCOLA, diz que, além de priorizar, os professores precisarão cuidar bem da transição dos alunos para o próximo ano.  “Se conseguirmos documentar nossas escolhas, professores de anos seguintes poderão ajudar a recuperar conteúdos que não foram abordados ou trabalhados com afinco nesse momento”, observa. 

Para te ajudar nessa árdua tarefa, Nova Escola ouviu Cíntia e Leandro em busca de respostas para cinco perguntas que devem estar na cabeça de muitos professores. Confira a seguir.

Por onde começar o replanejamento em Ciências com as turmas do Fundamental 2? 

Cíntia Diógenes diz que o professor, junto à equipe gestora, precisa se debruçar sobre a BNCC e elencar quais são habilidades prioritárias e quais conhecimentos não podem ser deixados para trás. Além disso, é importante que haja uma sensibilidade da equipe pedagógica quanto aos recursos tecnológicos que os estudantes, no geral, possuem, sempre nivelando por baixo. 

Leandro Holanda reforça que é importante olhar para o essencial. “E, com isso, talvez tenhamos de escolher os conceitos mais básicos. Por exemplo: há várias habilidades na Base do 8º ano que  trabalham eletricidade e geração de energia. Daí precisamos escolher as essenciais e pensar o que será mais viável trabalhar de forma remota”, explica Leandro. “É importante entender se o que você está escolhendo vai ajudar o aluno no ano seguinte ou se é um tema que vai acabar ali”, frisa. Cada rede terá de  olhar para essa questão de acordo com a sua realidade. 

Como o professor de Ciências pode se comunicar com os estudantes durante as aulas remotas? 

No caso do ensino remoto, é preciso preservar a postura investigativa e de resolução de problemas nas atividades propostas. 

Uma possibilidade para garantir isso  é elencar fontes para que os alunos se aprofundem nos temas das aulas, indicando vídeos e outros itens em que eles possam encontrar informações que os apoiem na solução dos problemas; mediar o trabalho em grupo; propor estratégias e ferramentas para que os alunos possam trabalhar colaborativamente, de acordo com a disponibilidade de recursos (uma chamada por telefone, chats por WhatsApp, Hangouts e assim por diante); definir prazos e apoiar na distribuição de tarefas; ajudar na definição de prazos para a realização dos projetos; e elaborar um checklist para que os estudantes se preparem para a etapa de sistematização. 

Alguns exemplos de recursos que podem ser utilizados para engajar os estudantes remotamente são:

Vídeos: Procure conteúdos que despertem o interesse dos estudantes. Reportagens, trechos de filmes de ficção e documentários podem ser sugeridos. Tenha em mente que eles não podem ser o único recurso, pois exigem uma boa conexão para ser consumidos.

Podcasts: O interessante desse recurso é a grande variedade de temas e a linguagem descontraída e acessível. Algumas plataformas gratuitas, como Spotify, Deezer, Castbox, The Podcast App e Tuneln, oferecem conteúdo em áudio gratuitamente

Textos informativos: Sites com conteúdos que relacionem atualidades e ciência servem de ponto de partida para despertar o interesse dos estudantes. 

Videoconferência: Proponha debates on-line, jogos e outras estratégias de interação por meio de videochamadas utilizando aplicativos como Google Hangouts ou Zoom. Neste último, o professor tem a opção de subdividir o grupo em salas para  realizar intervenções específicas.

Desenhos e esquemas: As ferramentas Paint, Paint 3D e PowerPoint são acessíveis e podem facilitar os registros dos alunos. Pode-se sugerir registros mais elaborados, como o projeto de um protótipo que resolva  uma situação-problema.

Textos compartilhados: Por meio do Google Drive, os alunos podem produzir textos colaborativamente, enquanto o professor acompanha o trabalho em tempo real, realizando intervenções por meio de comentários ou do chat.

Fórum: Diante de uma situação-problema ou de um estudo de caso, pode-se utilizar o recurso mais acessível para os alunos, como grupos de WhatsApp.

Como avaliar o aprendizado remotamente? 

De acordo com Cíntia Diógenes, o professor deve observar como está o engajamento no decorrer das atividades, avaliando possíveis dificuldades. Vale lembrar, sempre:  a avaliação não deve ter uma finalidade  punitiva, mas colaborar com o desenvolvimento do aluno, fazendo com que ele reflita sobre  a própria aprendizagem. Leandro Holanda alerta que o professor deve tomar cuidado para não replicar os modelos presenciais. Prefira pesquisas, formulários que podem ser transformados em jogos e outros elementos que costumam ser mais efetivos do que uma prova tradicional. “Nesse momento, menos é mais.  Se eu aplicava dez atividades de avaliação no bimestre, agora talvez tenha de reduzir e elaborar questões mais reflexivas”, completa. 

Algumas estratégias para avaliar remotamente nas aulas de Ciências são: 

Videoconferência: Discutir as produções coletivamente em plataformas como Zoom, Google Hangouts etc., instigando os alunos a refletirem sobre os objetivos da aula e como procederam em cada etapa. 

Mural de produções: Construir um acervo com os registros das produções dos estudantes em plataformas como o Padlet, recurso gratuito para a construção de murais e painéis virtuais, ou em um documento coletivo no Google Drive. 

Sequência de Atividades: Para consolidar as discussões, é interessante disponibilizar exercícios e atividades. Há sequências prontas alinhadas à BNCC em plataformas como a Khan Academy. Também é possível  criar questionários e acompanhar as respostas dos estudantes utilizando os Formulários do Google.

Produção de pequenos textos, memes, gifs e vídeos curtos: Os alunos podem usar esses formatos  para sistematizar o que aprenderam (com o benefício de engajar os estudantes). Nesse caso, é importante deixar que os estudantes sejam criativos e utilizem as ferramentas que mais estão acostumados.

O que o professor deve fazer quando não há possibilidade de acesso à internet para o aluno?

É importante que as aulas síncronas (professor e alunos conectados ao mesmo tempo) não sejam a única opção. O ideal é que a escola faça um levantamento de como é o acesso à internet e nivele seu planejamento, pensando no aluno que possui maior dificuldade de acesso. A partir daí, o professor pode propor aulas assíncronas, nas quais as atividades são  encaminhadas por ligação telefônica ou mensagem de celular e os materiais impressos, entregues em mãos. A equipe deve avaliar qual é a melhor logística. Há regiões onde os alunos estão indo até a escola buscar o material. Em outras partes do Brasil, a rede organizou um sistema de entrega em domicílio.

Como organizar a volta para a sala de aula? 

Inicialmente, é importante considerar o que foi planejado, executado e avaliado durante o período de ensino remoto. Por isso,  é importante que haja registros de todo o material produzido na quarentena e das observações do docente. É a partir desse material que será possível planejar as avaliações diagnósticas.

O passo seguinte é identificar quais habilidades não foram trabalhadas efetivamente durante o ensino remoto e priorizar aqueles que serão  pré-requisitos para o desenvolvimento de habilidades subsequentes (na tabela disponível nesta caixa você encontra sugestões sobre como fazer isso).

Dessa forma, será mais fácil pensar em estratégias para otimizar o tempo. Podem ser elas: atividades com temas interdisciplinares, usar contraturnos ou fins de semana ou serem encaminhados para uma exploração inicial em casa, para sistematização na escola.

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90