Para sua formação

3 saídas para desafios dos professores de Ciências na era das fake news

Como atuar de maneira instrutiva e empática com os alunos diante de notícias falsas e questionamentos anticiência

Em vermelho, regiões onde há permafrost. Ilustração: Erika Onodera/NOVA ESCOLA.

Seres microscópicos, ações e reações químicas, elementos que podem não estar - à primeira vista - presentes no cotidiano dos alunos. É com esse universo muitas vezes abstrato que o professor de Ciências precisa trabalhar a aprendizagem em sala de aula. 

Além dos desafios de aprendizagem nos processos de investigação, formulação de hipóteses, interpretação de dados e explicação de evidências, o professor ainda precisa se preparar para contornar questões atuais da era da pós-verdade, na qual fatos objetivos importam menos do que a emoção e as crenças particulares. 

Para apoiar uma atuação ao mesmo tempo instrutiva e empática do professor, NOVA ESCOLA entrevistou a bióloga e educadora Silvia Helena de Arruda Campos, que indicou algumas saídas para o dia a dia em sala de aula. Confira: 

1. O aluno questiona fatos cientificamente já comprovados. E agora?

Assim como os cientistas, também os professores têm a obrigação de trazer a público informações e dados que mostrem as evidências do conhecimento científico. “Cabe ao professor a tarefa de apresentá-lo de forma clara e objetiva ao aluno. Vale também buscar suporte em outras ciências. Exemplo: se o aluno defender que a Terra é plana, vale buscar explicações na geologia, na ótica. A Ciência fornece todos os indicadores para rebater fake news”, explica Silvia Helena. Assim, a aparente saia-justa pode ser uma boa oportunidade para colocar em prática a investigação científica por meio de pesquisas, experimentos e confrontação de hipóteses. 

2. A turma parece estar certa de que determinados argumentos falaciosos são reais. Como rebater fake news em sala de aula?

O professor pode pensar em atividades para reforçar com o grupo a importância da consulta a fontes confiáveis de informação, que também é parte do método científico. Nesse contexto, o tema falacioso pode ser tratado na aula. O importante é orientar os alunos a buscarem informações em fontes confiáveis: entidades e associações científicas, relatórios e estudos assinados por órgãos governamentais nacionais e internacionais, ou até mesmo em artigos jornalísticos publicados por veículos idôneos. “Outro ponto a se reforçar é a necessidade de checagem de dados em fontes variadas”, alerta Silvia. 

3. Como trabalhar o ensino de Ciências quando o aluno rebate um tema científico com a própria crença religiosa?

“A partir do Ensino Superior, os indivíduos têm opinião própria, mas, antes disso, seguem a orientação familiar, que pode estar conectada à crença religiosa, por exemplo”, explica Silvia. Nesses casos, a educadora defende que o professor exponha a informação prevista para a aula, mas que também respeite a opção do aluno de não concordar com a explicação. “Sempre com uma abordagem de acolhimento; nunca de embate.”

Mais sobre esse tema

Caixa abrindo

Ideias para se inspirar,
conteúdo para ensinar

  • Expriıências reais de sala de aula;
  • Conteúdos alinhados à BNCC;
  • Metodologias ativas;
  • Textos, vídeos, materiais pedagógicos e moldes;
  • Ideias e relatos de professores como você!
assine por R$19,90