Para repensar a rotina

Por que a rotina é importante para as crianças?

Saber quais serão as tarefas do dia, aprender a se situar no tempo, manter o reloginho biológico: ter rotina ajuda em tudo isso e diminui a ansiedade durante o isolamento

Por Nairim Bernardo

Criar uma rotina de atividades e estabelecer horários é uma forma dos pequenos se organizarem e autorregularem. Ilustração: Nathalia Takeyama/NOVA ESCOLA

As crianças também percebem que algo diferente está acontecendo. Em virtude da pandemia da Covid-19, elas não estão indo à creche e não tem contato com familiares fora de sua residência, o que muda muito seu dia a dia. Clarissa Pereira, coordenadora pedagógica do Colégio Apoio, de Recife (PE), tem aconselhado as famílias dos pequenos a conversarem com  eles sobre isso, mas cuidando do tom: “É preferível usar o termo protegido e não preso em casa”, diz. “O primeiro passo é esclarecer o que está acontecendo sem minimizar a doença, mas também sem aumentar o medo. Explique [às crianças] que estão seguras em casa e que é preciso construir uma nova rotina para esse novo contexto”. 

Uma rotina traz segurança em um momento de tamanha indefinição como o de uma pandemia mundial.  Definir atividades (acordar, tomar café, brincar, assistir desenho, almoçar, fazer uma atividade escolar, conversar com os avós por videochamada) ajuda a criança a se organizar e se autorregular. “Essa previsibilidade é organizadora de todo o psiquismo da criança, e independe de estarmos ou não na quarentena. A rotina as ajuda a entender como o mundo funciona e a se organizarem emocionalmente para os desafios do dia a dia”, comenta Roberta Tavares Lopez, psicóloga clínica e educacional e terapeuta de crianças, adolescentes e famílias. 

Não saber quais atividades estão previstas pode deixar as crianças mais ansiosas, irritadas e causar a necessidade de perguntar constantemente aos pais o que pode ser feito. Para que elas se adaptem melhor, a família precisa levar em conta a rotina no período anterior ao da quarentena: horário em que acordavam, tempo de sono, quantidade de horas assistindo televisão etc. “Lembre-se que quando a quarentena acabar, o reloginho biológico da criança e seus hábitos precisarão ser regularizados novamente”, diz Clarissa. Portanto, o intuito não é reproduzir os horários e rotina escolares, mas estabelecer bases e limites saudáveis para cada momento. 

As noções de tempo durante o isolamento
Ao ficar muito tempo em um mesmo espaço, é normal que percamos a noção da passagem do tempo. Para as crianças, que ainda estão construindo a percepção de sequência temporal, a dificuldade em distinguir dias, semanas, meses e estações do ano será ainda maior. Recursos visuais ajudam a explicar como o tempo é organizado. Por isso, os pais podem conversar sobre como o tempo é organizado (eles podem contar com os filhos há quantos dias e semanas estão em casa) e fixar um calendário e o mural com a rotina da família em um local de fácil visualização (nesta caixa, você encontra um modelo para enviar às famílias).

Para os adultos, a situação também é nova e inusitada. Muitos estão trabalhando e, mesmo em casa, não estão disponíveis o tempo todo. Eles também precisam estabelecer uma rotina e compartilhá-la com as crianças. E mais: cumprir o que foi proposto é importante para que elas compreendam a importância dos combinados. A psicóloga Roberta Tavares defende que como o momento social é de mudanças, frustrações e perdas, os pais também precisam entender que nem tudo ocorrerá exatamente conforme o combinado e devem se explicar e se desculpar com as crianças quando necessário, além de não se cobrarem muito.

Momentos especiais (ir ao parque, ao cinema, jantar em uma pizzaria) fazem parte da vida e podem ser adaptados para a nova realidade: uma tarde de culinária com receitas da família, um piquenique no quintal ou na sala, a confecção de uma pipa ou a exposição de desenhos e outras obras de arte feitas pela família, por exemplo. “É importante proporcionar momentos para que criem-se memórias afetivas sobre essa quarentena. São elas que formam valores, vínculos e ensinam a lidar com emoções”, explica Roberta. “Daqui a 10 anos, nenhuma criança vai se lembrar do que deveria estar vivendo na escola, mas pode se lembrar desses momentos especiais em casa”.

Ideias para inspirar, conteúdo para ensinar

Quer ler esse conteúdo? Assine o Nova Escola Box

O Nova Escola Box é um produto digital que auxilia o educador a preparar a sua aula com dicas práticas, materiais de apoio para a sala de aula e textos de formação para os professores da Educação Infantil e do Ensino Fundamental. Toda semana, o assinante recebe uma caixa digital de conteúdo nova e surpreendente.

Conheça os planos

Já é assinante Nova Escola Box? Faça login aqui!