DIVERSIDADE

Além dos Dias da Mulher e da Consciência Negra: como valorizar direitos humanos o ano inteiro

Ao trabalhar a luta de grupos sociais contra a marginalização e a discriminação, é importante não se limitar apenas a festividades pontuais e convidar os alunos a sempre exercitarem o respeito

Há mais de cem anos, diversos protestos por melhores condições de trabalho e pelo direito ao voto foram o pontapé inicial para que as mulheres passassem a ter voz ativa na sociedade. Por isso, no Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, até pode haver flores, mas a data existe, principalmente, para lembrar da luta por direitos humanos. 

O mesmo vale para outras efemérides já consagradas no calendário escolar, como Dia do Índio, em 19 de abril, e Dia da Consciência Negra, em 20 de novembro, que devem ir além dos feriados e festividades pontuais e convidar os alunos à reflexão e ao pensamento crítico. 

Ao levar marcos históricos ligados aos direitos humanos para as aulas, o primeiro passo é entender as bases históricas dessas celebrações. É o que defende Gina Vieira Ponte, idealizadora do projeto Mulheres Inspiradoras, formadora da rede do Distrito Federal e doutoranda em Linguística pela UnB. “Muitas dessas datas são o resultado da mobilização dos movimentos sociais e têm papel central e estratégico porque convocam o país a refletir sobre sua história e pautam uma agenda nacional que não nos deixa perder de vista os direitos humanos”, afirma.

As efemérides devem refletir o que a escola fez o ano inteiro e ser o ponto culminante de um projeto maior - de preferência, interdisciplinar, segundo Sherol dos Santos, doutoranda em História pela UFRGS,  professora da rede estadual do Rio Grande do Sul e formadora do Time de Autores de NOVA ESCOLA. O Dia da Consciência Negra, data que marca a luta de Zumbi dos Palmares (1655-1695) contra a escravidão, pode ser trabalhado no decorrer dos bimestres atrelado a outros conteúdos para além do Brasil colonial, por exemplo (recentemente, o Nova Escola Box publicou a Série Especial Consciência Negra o Ano Inteiro, que traz inspirações para fazer isso em todas as etapas da Educação básica. Veja alguns dos conteúdos de Educação Infantil, Ensino Fundamental 1 e Ensino Fundamental 2).

“A cada ano é importante usar essa data como marca de luta das populações marginalizadas. Exemplo disso é que, se em História o professor estiver trabalhando Segunda Guerra Mundial, é possível fazer um link e mencionar a Consciência Negra como uma data de luta contra o autoritarismo e a opressão, que foi a luta de Zumbi dos Palmares”, sugere Sherol.

Ao abordar os temas, é necessário ter alguns cuidados para não cair na superficialidade ou, até mesmo, reforçar estereótipos, como tratar a África como um país e não um continente rico em diversidade cultural. Além disso, é um equívoco deixar de abordar as questões raciais só porque em determinada escola não há estudantes negros. “É quando mais precisamos falar”, diz Sherol. “Vivemos numa sociedade extremamente racista. Fazer uma educação antirrascista é pensar um novo projeto de sociedade.”

Para Gina Vieira Ponte, se os professores não compreenderem que o Brasil está organizado dentro de estruturas sociais marcadas por racismo, sexismo, machismo e homofobia, seus alunos terão dificuldades de entender o porquê dessas datas. O que pode levar a uma espécie de “currículo festivo”, quando não há reflexões aprofundadas sobre o assunto em si. 

A seguir, algumas sugestões de como abordar essas efemérides em todas as etapas da Educação Básica.

AS DATAS MAIS IMPORTANTES RELACIONADAS AOS DIREITOS HUMANOS

- 8 de março
Dia Internacional da Mulher

- 21 de março
Dia de Luta contra a Discriminação Racial

- 19 de abril
Dia do Índio

- 17 de maio
Dia Internacional de Combate à LGBTfobia

- 9 de agosto
Dia Internacional dos Povos Indígenas

- 23 de agosto
Dia Internacional da Memória do Tráfico Negreiro e de sua Abolição

- 23 de setembro
Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças

- 5 de outubro
Dia da Cidadania

- 20 de novembro
Dia da Consciência Negra

- 25 de novembro
Dia internacional de combate à violência contra a mulher

- 3 de dezembro
Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

- 10 de dezembro
Dia Internacional dos Direitos Humanos 

COMO ARTICULAR OS DIAS DA MULHER E DA CONSCIÊNCIA NEGRA COM A BNCC

Veja sugestões de como trabalhar temas relacionados a essas datas em Língua Portuguesa e História - e até em Educação Infantil.


8 de março: Dia Internacional da Mulher

EM EDUCAÇÃO INFANTIL

Como trabalhar: A desconstrução do machismo não começa na criança, mas sim, na própria escola, que precisa revisitar suas práticas, observa Gina Vieira Ponte. Exemplos disso: a separação de armários pintados de rosa para meninas e de azul para meninos. Para ela, essas são formas de violência simbólica contra as mulheres. “Não adianta a escola trabalhar a questão se está atuando o tempo todo sob a lógica patriarcal”, ressalta. “Ela ainda é um ambiente profundamente reprodutor do machismo.” É importante, então, que os educadores dessa etapa procurem despertar nos pequenos o olhar para a diversidade e a empatia pelo próximo.

Objetivos de aprendizagem e desenvolvimento relacionados: 

EI03EO01 - Demonstrar empatia pelos outros, percebendo que as pessoas têm diferentes sentimentos, necessidades e maneiras de pensar e agir.

EI03EO05 - Demonstrar valorização das características de seu corpo e respeitar as características dos outros (crianças e adultos) com os quais convive.

EI03EO06 - Manifestar interesse e respeito por diferentes culturas e modos de vida.

NO ENSINO FUNDAMENTAL 1

Como trabalhar em História: No Ensino Fundamental 1 é crucial que a data seja aproveitada para debater questões de gênero e para falar sobre a importância das mulheres na história e na luta por igualdade. É importante, ainda, que a sala seja mais igualitária, de modo que alguns acordos podem ser estabelecidos com a turma logo no início do ano letivo, como, por exemplo, a revisão das filas separadas por meninas e meninos. 

Planos de Aula NOVA ESCOLA relacionados ao assunto:

- Plano de Aula - 1º ano - Diferença entre comemorações em casa e na escola
- Plano de Aula - 5º ano - O lugar onde vivo: histórias e regras de convívio

Habilidades da BNCC de História relacionadas:

1º ano

EF01HI08 - Reconhecer o significado das comemorações e festas escolares, diferenciando-as das datas festivas comemoradas no âmbito familiar ou da comunidade.

5º ano

EF05HI01 - Identificar os processos de formação das culturas e dos povos, relacionando-os com o espaço geográfico ocupado.

EF05HI04 - Associar a noção de cidadania com os princípios de respeito à diversidade, à pluralidade e aos direitos humanos.

NO ENSINO FUNDAMENTAL 2

Como trabalhar em Língua Portuguesa: Como nas outras etapas, a data não deve ser trabalhada de maneira esporádica, mas sim, no dia a dia dos alunos por meio de situações-problema, poesia e literatura que destaquem, principalmente, obras escritas por mulheres. Além, é claro, de trabalhar para o desenvolvimento do olhar crítico dos alunos.

Habilidades da BNCC de Língua Portuguesa relacionadas:

EF67LP27 - Analisar, entre os textos literários e entre estes e outras manifestações artísticas (como cinema, teatro, música, artes visuais e midiáticas), referências explícitas ou implícitas a outros textos, quanto aos temas, personagens e recursos literários e semióticos.

EF09LP01 - Analisar o fenômeno da disseminação de notícias falsas nas redes sociais e desenvolver estratégias para reconhecê-las, a partir da verificação/avaliação do veículo, fonte, data e local da publicação, autoria, URL, da análise da formatação, da comparação de diferentes fontes, da consulta a sites de curadoria que atestam a fidedignidade do relato dos fatos e denunciam boatos etc.

Como trabalhar em História: Nos anos finais do Ensino Fundamental, o debate pode ser mais amplo e os professores têm mais espaço para discutir sobre machismo e cobertura midiática do tema. A data é uma convocação para dialogar sobre cidadania, respeito, representatividade e diferenças.

Planos de Aula NOVA ESCOLA relacionados ao assunto:

- Plano de Aula - 8º ano - A participação das mulheres nas independências da América Latina

Habilidades da BNCC de História relacionadas:

EF06HI19 - Descrever e analisar os diferentes papéis sociais das mulheres no mundo antigo e nas sociedades medievais. 

EF08HI11 - Identificar e explicar os protagonismos e a atuação de diferentes grupos sociais e étnicos nas lutas de Independência no Brasil, na América espanhola e no Haiti.

EF09HI26 - Discutir e analisar as causas da violência contra populações marginalizadas (negros, indígenas, mulheres, homossexuais, camponeses, pobres etc.) com vistas à tomada de consciência e à construção de uma cultura de paz, empatia e respeito às pessoas.


20 de novembro: Dia da Consciência Negra

EM EDUCAÇÃO INFANTIL 

Como trabalhar: Esse é o momento em que as crianças constroem sua visão de si e do outro e começam a compreender que o outro é diferente, mas que, de forma geral, somos iguais e merecemos carinho e afeto na mesma medida. Na Educação Infantil, é importante que os professores se atentem a isso e dediquem carinho e afeto às crianças negras. E que, também, trabalhem a representatividade nas brincadeiras e na contação de histórias, por exemplo.

Planos de Atividade NOVA ESCOLA relacionados ao assunto:

- Atividade - Crianças pequenas - Toda família tem história
- Atividade - Crianças pequenas - Toda família tem história

Objetivos de aprendizagem e desenvolvimento relacionados: 

EI03EO01, EI03EO05 e EI03EO06 (já citadas anteriormente)

NO ENSINO FUNDAMENTAL 1

Como trabalhar em Língua Portuguesa: Gina Vieira Ponte sugere que os professores apostem na literatura como um instrumento para ajudar a “descolonizar o imaginário”. Leve para as aulas obras com “representações de personagens negros que tragam uma perspectiva positiva e que transcenda as representações hegemônicas em que pessoas negras são reduzidas a escravizados e subalternos”, segundo a professora. Confira a caixa “Livros e autores para cultivar uma Educação Antirracista” para se guiar na hora de escolher obras interessantes para os alunos. 

Habilidades da BNCC de Língua Portuguesa relacionadas:

EF15LP15 e EF35LP21 (já citadas anteriormente)

Como trabalhar em História: Nos anos iniciais, Sherol dos Santos recomenda ter cuidado com a folclorização das manifestações culturais. “Muitas vezes a gente só coloca como folclore o que vem das culturas indígena e negra, mas o que vem da Europa, por exemplo, não. Então é fundamental ter um trato melhor de todos os conteúdos que são necessários e mais respeito às manifestações culturais do nosso país”, reforça. 

Habilidades da BNCC de História relacionadas:

EF01HI08, EF05HI01 e EF05HI04 (já citadas anteriormente)

NO ENSINO FUNDAMENTAL 2

Como trabalhar em Língua Portuguesa: Nesta etapa, a literatura também aparece como recurso importantíssimo para o desenvolvimento da linguagem, da imaginação, da capacidade crítica e da escrita. Apresente aos alunos autores, escritores e personagens negros que possam colaborar com a descolonização do imaginário dos jovens. Confira a caixa “Leve a literatura negra para o Fundamental 2” para se guiar na hora de escolher obras interessantes para os alunos. 

Habilidades da BNCC de Língua Portuguesa relacionadas:

EF67LP27 e EF09LP01 (já citadas anteriormente)

Como trabalhar em História: É necessário ter cuidado no trato com as informações externas, ainda mais em tempos de tantas notícias falsas. “Temos de estar atentos às informações que recebemos e a escola precisa ter um espaço para acolher e debater essas questões”, comenta Sherol dos Santos. Por conta disso, a História, além de desenvolver o olhar crítico, deve ser uma ferramenta para combater as fake news que circulam principalmente em ambientes virtuais.

Habilidades da BNCC de História relacionadas:

EF08HI11, EF09HI04, EF09HI16 e EF09HI26 (já citadas anteriormente)

Ilustrações: Veridiana Scarpelli/NOVA ESCOLA

Ideias para inspirar, conteúdo para ensinar

Continue lendo conteúdos exclusivos com acesso ilimitado

Assine o Nova Escola Box e veja sugestões de atividades para aulas remotas e presenciais.

Apenas R$15,90 por mês

Já é assinante Nova Escola Box? Faça login aqui!